Vídeo de Explosão em uma Subestação de 500kV

Vídeo de Explosão em uma Subestação de 500kV

Fique atento aos riscos que você corre

Nesta postagem, vejam a explosão em uma subestação de 500kV e o perigo que o técnico de campo pode enfrentar. Relembramos aqui a importância de uso dos equipamentos de segurança de acordo com as normas técnicas estabelecidas.

NR 10 - Segurança em Eletricidade
NR 06 - Equipamentos de Proteção Individual
Classificação do fogo - Diferentes Classes

Como Funciona o Capacímetro

O capacímetro é um instrumento muito utilizado em eletrônica de bancada. O capacímetro, como o próprio nome diz, é um instrumento usado para medir capacitância, permitindo assim testar um capacitor conferindo seus valores.

O capacímetro funciona através do princípio da reatância capacitiva, medindo uma corrente que passa pelo capacitor após ser aplicada uma tensão alternada sem seus terminais. Quanto maior for a capacitância, menor a reatância e maior a corrente que circula É possível encontrar capacímetros digitais, por medição de tempo e por medição em reatância.

Os capacímetros por circuito de tempo são usados em capacitores de grande capacidade, e este tipo de medição se dá através do cálculo do tempo de descarga do mesmo. Já os capacímetros digitais são muito comuns hoje e dispõe de muitos métodos de medição dentro de um único equipamento.

Capacímetro digital comumente encontrado em lojas especializadas

Classes de Amplificadores de Potência

Classes de Amplificadores de Potência

Conheça os tipos de amplificadores de potência


Os amplificadores de potência são usados para amplificar sinais de grande amplitude. Em geral, são divididos em quatro classes básicas de acordo com o ponto de operação na reta de carga: Classe A, Classe B, Classe AB e Classe C. Abaixo, algumas características individuais:

Amplificador de Potência Classe A - Nesta configuração, a polarização é feita de forma que a corrente do coletor circule durante todo o ciclo do sinal de entrada. É uma configuração usada como baixa eficiência, devido a perdas de potência nos resistores de polarização.

Tipos e Classes de Amplificadores de Potência
Exemplo de amplificador de potência classe A 


Amplificador de Potência Classe B - Esta classe usa uma configuração push-pull, isto é, quando um transistor está conduzindo o outro está em corte. Cada transistor na sua saída é polarizado na região de corte.

Tipos e Classes de Amplificadores de Potência
Exemplo de amplificador de potência classe B


Amplificador de Potência Classe AB - Esta configuração também usa dois transistores de potência em push-pull. Neste caso, cada transistor na saída é polarizado um pouco acima da região de corte, fazendo com que cada transistor conduza uma quantidade pequena de corrente de base e coletor.

Tipos e Classes de Amplificadores de Potência
Exemplo de amplificador de potência classe AB


Amplificador de Potência Classe C - Nesta configuração o amplificador é polarizado de modo a operar com o sinal a menos de 180º. São amplificadores especialmente montados para trabalhar em circuitos sintonizadores.

Tipos e Classes de Amplificadores de Potência
Exemplo de amplificador de potência classe C

Existem ainda os Amplificador de Potência Classe D, que amplifica sinais digitais, isto é, sinais pulsados que ficam ligados por um curto período de tempo e então desligam.

Assista a esta matéria também em vídeo:

Como Funcionam os Tiristores

Como Funcionam os Tiristores

São os componentes básicos da Eletrônica Industrial, chaveando grandes cargas, como motores, eletroimãs, aquecedores, convertendo CA em CC, CC em CA e gerando pulsos de controle para outros tiristores.

Funcionamento

Em um circuito, a base do transistor NPN é alimentada pelo coletor do PNP, e vice-versa. Não há inicialmente corrente de coletor alimentando o outro transistor, e ambos estão no corte. Se aplicarmos um pulso positivo na base do NPN, ou negativo na do PNP, o transistor será ativado, fornecendo uma corrente amplificada na base do outro, que amplificará esta corrente fornecendo uma corrente ainda maior à base do transistor que recebeu o pulso. O processo leva rapidamente os transistores à saturação, fornecendo corrente somente limitada pela carga, o resistor.

Uma vez disparada, a trava só se desliga quando a corrente for limitada a um valor a um valor mínimo, corrente de manutenção, que não permite manter os transistores na saturação. Isto pode ser conseguido desligando o circuito, ou curtocircuitando os emissores.

A trava também pode ser disparada por avalanche, aplicando-se uma sobretensão entre os emissores, que inicia a ruptura em um dos transistores, alimentando a base do outro, o que leva à saturação como no caso do pulso, anterior.